segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Balanço de 2017 e Perspetivas para 2018

O ano de 2017 foi um ano de altos de baixos em termos de leituras. No início do ano tinha colocado a meta no goodreads de ler 75 livros e, a verdade é que passei grande parte do ano atrasada neste desafio, e pensei mesmo que não o iria conseguir cumprir. 


Dezembro

Em Dezembro fiz então um pouco de batota, e fui à procura de livros mais pequeninos. Não que seja muito a favor desta resolução, mas acabei por fazer leituras que queria fazer há algum tempo e que se mostraram bastante agradáveis. No total, terminei 14 livros neste mês, mas alguns foram iniciados antes.

Fangirl  O Ano da Dançarina The Snow Child Sono Terra de Neve Shatter Me (Shatter Me, #1) Harry Potter and the Prisoner of Azkaban (Harry Potter, #3) Hyperbole and a Half: Unfortunate Situations, Flawed Coping Mechanisms, Mayhem, and Other Things That Happened Short Stories from Hogwarts of Heroism, Hardship and Dangerous Hobbies (Pottermore Presents, #1) A Arca de Natal Um Momento Inesquecível Short Stories from Hogwarts of Power, Politics and Pesky Poltergeists (Pottermore Presents, #2)
Hogwarts: An Incomplete and Unreliable Guide (Pottermore Presents, #3) It


Balanço 2017

Consegui ler então 75 livros, com um total de 27.682 páginas.

Os melhores:

                         (Os dois volumes)
O Conde de Monte Cristo by Alexandre Dumas Os Tambores do Outono by Diana Gabaldon No Teu Olhar by Nicholas Sparks Não Digas Nada à Mamã by Toni Maguire
               

Não achei justo incluir aqui a versão ilustrada de Harry Potter and The Prisoner of Azckaban, já que foi uma releitura.

Os que menos gostei:

Baker's Magic - A Magia do Pão by Diane Zahler Casino Royale by Ian Fleming Viagens na Minha Terra by Almeida Garrett Terra de Neve



Perspetivas para 2018

Para 2018 não vou propôr-me a grandes metas literárias. Vou apenas participar no desafio do goodreads com 50 livros e defeni também 12 livros que tenho na estante (à exceção de um) e que tenho muita vontade de ler. Não estou com ideias de participar em desafios muito específicos, não quero mesmo condicionar as minhas leituras e sentir-me pressionada a ler. Quero ler o que me apetece, independentemente do tempo que poderei levar até terminar. Também dedicar algum tempo a pôr séries em dia e ver filmes que já quero ver há algum tempo.

Estes são os 12 livros que escolhi para 2018:

Outlander V - A Cruz de Fogo As Vinhas da Ira Mrs. Dalloway Os Pilares da Terra, Volume I Os Pilares da Terra, Volume 2 of 2 (Os Pilares da Terra, #1) Um Mundo Sem Fim, Volume I Um Mundo Sem Fim, Volume II Cisnes Selvagens: Três Filhas da China Persuasão A Rapariga Que Sonhava com Uma Lata de Gasolina e Um Fósforo (Millennium, #2) Mar de Papoilas Full Dark, No Stars

Desejo a todos um excelente 2018, recheado de boas leituras!



quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Terra de Neve - Opinião

Terra de Neve

Título: Terra de Neve
Autor: Yasunari Kawabata
Ano de publicação: 1937

Sinopse:

Terra de neve é a estória de um amor de perdição passada no meio da desolada beleza da costa oeste do Japão, uma das regiões mais nevosas do mundo. É aí, numas termas isoladas de montanha, que o sofisticado Shimamura conhece a gueixa Komako que se entrega a ele sem remorsos, sabendo de antemão que a sua paixão não pode perdurar.

Um romance de grande beleza e sigularidade, uma verdadeira obra prima da literatura japonesa e universal do século vinte.

Opinião:

Este livro era completamente desconhecido por mim até há bem pouco tempo. Foi numa ida à biblioteca, quando procurava livros mais pequenos, que me deparei com ele, e como achei piada à capa e ao título, trouxe-o para casa. Só mais tarde reparei que era de um autor vencedor do prémio Nobel da literatura, o que me deixou ainda mais entusiasmada para o ler.

De um modo geral, gostei da escrita do autor, enquanto descrevia o que as personagens estavam a fazer. No entanto, não consegui apreciar os diálogos. Achei-os estranhos e confusos.

Também não achei a história nada de especial, não me convenceu, não me conseguiu tocar de nenhuma maneira.

Não foi das melhores leituras que já tive, mas fiquei curiosa para ler Kyoto.


quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Sono - Opinião

Sono

Título: Sono
Autor: Haruki Murakami
Ano de publicação: 1987

Sinopse:

«Há dezassete dias que não durmo.» Assim tem início a história que Haruki Murakami imaginou e escreveu sobre uma mulher que, certo dia, deixou de conseguir dormir. Pela calada da noite, enquanto o marido e o filho dormem o sono dos justos, ela começa uma segunda vida. E, de um momento para o outro, as noites tornam-se de longe mais interessantes do que os dias... mas também, escusado será dizer, mais perigosas.

Opinião:

Li pela primeira vez um livro do autor - Sputnik, Meu Amor - há uns meses e gostei da sua escrita, mas a história não me convenceu completamente. Agora foi a vez de Sono e concluí que a sua escrita é mesmo fantástica. É envolvente e só faz com que queiramos continuar a ler. 

Este é um livro pequenino e não tem capítulos, mas isso não me incomodou nada, aliás, fez com que a leitura ainda fluísse melhor. A edição é bastante bonita, é muito cuidada e tem várias ilustrações lindíssimas referentes à história. 

Apesar de a história ser interessante e original, não foi o melhor do livro, mas gostei muito de ler sobre as vantagens da releitura de livros.

Gostei muito do livro, é uma leitura muito rápida, recomendo.


sábado, 16 de dezembro de 2017

The Snow Child - Opinião

The Snow Child

Título: The Snow Child
Autora: Eowyn Ivey
Ano de publicação: 2012

Sinopse (em português do Brasil):

Alasca, 1920: Um lugar especialmente difícil para os recém-chegados Jack e Mabel. Sem filhos, eles estão se afastando um do outro cada vez mais ele, no duro trabalho da fazenda, ela, se perdendo na solidão e no desespero. Em um dos raros momentos juntos durante a primeira nevasca da temporada, eles fazem uma criança de neve. Na manhã seguinte, ela simplesmente desaparece.
Jack e Mabel avistam uma menina loira correndo por entre as árvores, mas a criança não é comum. Ela caça com uma raposa-vermelha ao lado e, de alguma forma, consegue sobreviver sozinha no rigoroso inverno do Alasca.
Enquanto o casal se esforça para entendê-la, uma criança que poderia ter saído das páginas de um conto de fadas, eles começam a amá-la como se ela fosse filha deles. No entanto, nesse lugar bonito e sombrio, as coisas raramente são como aparentam ser, e o que aprendem sobre essa misteriosa menina vai transformar a vida de todos eles.

Opinião:

Já há algum tempo que tinha curiosidade para ler este livro. Aproveitei então este tempo mais frio para o fazer finalmente.

Este é um daqueles livros que se lê sem dificuldade nenhuma. A escrita é fluída e envolvente, e a história é muito bonita. Mesmo tendo lido em inglês, não senti nenhuma dificuldade em acompanhar a leitura.

Jack e Mabel não conseguem ter filhos, e decidem ir para o Alasca na tentativa de darem um novo alento à sua vida, mas cada vez se afastam mais um do outro. Até que, numa noite, fazem um boneco de neve e a partir daí começam a ver uma criança perto de sua casa que, a pouco e pouco, começa a entrar nos seus corações. Gostei muito de Mabel e de Faina, apesar de à primeira vista não parecerem, são ambas muito fortes. Também gostei de Jack, mas por vezes teve algumas atitudes um pouco irritantes para com Mabel, não ficando do seu lado em algumas ocasiões.

Gostei muito do livro, é muito bonito e óptimo para se ler nesta altura.



quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

O Ano da Dançarina - Opinião

O Ano da Dançarina

Título: O Ano da Dançarina
Autora: Carla M. Soares
Ano de publicação: 2017

Sinopse:

No ano de 1918, o jovem médico tenente Nicolau Lopes Moreira regressa da Frente francesa, ferido e traumatizado, para o seio de uma família burguesa de posses e para um país marcado pelo esforço de guerra, pela eleição de Sidónio Pais e pela pobreza e agitação social e política.
No regresso, Nicolau vê-se confrontado com uma antiga relação com Rosalinda, dançarina e amante de senhores endinheirados, e com as peculiaridades de uma família progressista.
Enquanto a Guerra se precipita para o fim e, em Lisboa, se vive a aflição da epidemia e da difícil situação política, a família experimenta o medo e perda, e Nicolau conhece um amor inesperado enquanto trava as suas próprias batalhas contra a doença e os próprios fantasmas. Este é um romance de grande fôlego, histórico, empolgante e profundo, sobre a superação pessoal e uma saga familiar num tempo de grande mudança e turbulência em Portugal.
 

Opinião:

Carla M. Soares está a tornar-se uma das minhas autoras portuguesas preferidas. O meu livro preferido dela é O Cavalheiro Inglês, que foi o primeiro que li. Depois já li Alma Rebelde e A Chama ao Vento e também gostei bastante dos dois.

Confesso que O Ano da Dançarina teve o início em que mais me custou entrar, não foi um livro que me envolvesse logo nas primeiras páginas. Não que fosse aborrecido, nada disso, simplesmente não me impulsionava a ler. No entanto isso mudou passado algumas páginas. Gostei bastante de ler sobre o que se vivia em Lisboa na época da epidemia.

A parte política não foi a que mais me interessou, mas reconheço a sua importância e relevância na história. Gostei das personagens no geral, embora todas elas fossem tendo algumas atitudes que me exasperavam um pouco, mas isso só reforça a sua credebilidade, ninguém é perfeito, e cada um age como pensa que é melhor.

Enfim, foi um livro que gostei bastante. Tem romance, mas nada exagerado. Também demonstra a força femenina.

 Claro está que já quero ler o próximo livro da autora.


terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Fangirl - Opinião

Fangirl

Título: Fangirl
Autora: Rainbow Rowell
Ano de publicação: 2013

Título:

Cath ama os seus livros e a sua família. Haverá espaço para mais alguém?
Todo o mundo é fã dos livros de Simon Snow. Mas Cath vai mais longe: ser fã desses livros tornou-se a sua vida. Ela e a sua irmã gémea, Wren, refugiaram-se na obra de Simon Snow quando eram miúdas, e na verdade foi isso que as salvou da ruína emocional que foi a perda da mãe.
Ler. Reler. Interagir em fóruns, escrever ficção baseada na obra de Simon Snow, vestir-se como as personagens dos livros. Mas essas fantasias deixam de fazer sentido quando se cresce, e enquanto Wren facilmente abandona esse refúgio, Cath não consegue fazê-lo. Na verdade, nem quer.
Agora que vão para a universidade, Wren não quer ficar no mesmo quarto de Cath. E esta fica sozinha e fora da sua zona de conforto. Partilha o quarto com uma miúda arrogante; tem um professor que despreza os seus gostos; um colega atraente mas que apenas fala sobre a beleza das palavras... e, ainda por cima, Cath não consegue parar de se preocupar com o seu pai, tão querido, frágil e solitário.
A pergunta paira no ar: será que ela consegue triunfar sem que Wren lhe dê a mão? Estará preparada para viver a vida em seu nome? Escrever as suas próprias histórias? E se isso significar deixar Simon Snow para trás?

Opinião:

Tinha alguma curiosidade para ler Carry On de Rainbow Rowell, que está relacionado com Fangirl, por isso decidi começar por este. Como as expectativas não eram muitas e o inglês não me parecia complicado, ouvi o audiobook.

Foi uma boa surpresa. Consegui-me identificar com algumas características da Cath, principalmente a timidez e o facto de gostar tanto de uma série de livros. Achei a Wren um pouco egoísta, mesmo sabendo que a irmã precisava dela e que não se sentia tão à vontade como ela, foi capaz de estar imenso tempo sem falar ou se preocupar com ela. Também gostei muito do Levi, é super fofinho, um rapaz às direitas.

As partes que menos me chamaram a atenção foram mesmo as relacionadas com o Simon Snow.  Não que fossem más, mas o que queria mesmo saber era o que estava a acontecer com a Cath. Assim, em princípio, não lerei Carry On.

Foi um livro fofinho, que recomendo a quem gosta do género.


quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Viagens na Minha Terra - Opinião

Viagens na Minha Terra

Título: Viagens na Minha Terra
Autor: Almeida Garret
Ano de publicação: 1846

Sinopse:

Em "Viagens na Minha Terra", publicado inicialmente em folhetim entre 1845 e 1846, Almeida Garrett descreve a viagem que fez entre Lisboa e Santarém, bem como as suas impressões sobre os locais por que passou. No meio destas deambulações, conta a história de Joaninha, a menina dos rouxinóis, de Carlos, que encarna o herói romântico, e de Frei Dinis, entrelaçando a tragédia que liga estas personagens com as suas crónicas de viagem.

 Opinião:

Frei Luís de Sousa foi o livro lido na escola que menos gostei. Mas tinha curiosidade para ler mais do autor e este foi o livro escolhido.

Demorei um pouco a entrar na história e a perceber o que se estava a passar, o que prejudicou um pouco a minha experiência de leitura. Mas a parte que entendi, não achei nada de especial. É um livro com bastantes referências literárias, nomeadamente a Dom Quixote de La Mancha de Cervantes, outra obra que não gostei assim tanto.

No entanto, é um livro que se lê bastante bem, uma vez que os capítulos são bem curtos.