quarta-feira, 9 de agosto de 2017

O Duplo - Opinião

O Duplo

Título: O Duplo
Autor: Fiódor Dostoiévski
1ª Publicação: 1846

Sinopse:

Dostoiévski publicou O Duplo em 1846, quando contava apenas 24 anos, poucos meses depois da publicação do seu primeiro romance Gente Pobre. Muitas das suas inquietações estão já presentes nesta história de um funcionário público obcecado pela existência de um colega, réplica de si próprio, que lhe usurpa a identidade, acabando por levá-lo à insanidade mental e à ruptura com a sociedade. A afirmação da liberdade individual contra instituições e normas existentes é precisamente o tema chave deste romance, ainda que sobressaia a compaixão pela condição dos humilhados, outra recorrência na obra do autor. Este romance é um caso de ruptura com convenções literárias, intensamente criativo, com uma riqueza a nível dos recursos estilísticos, que Nabokov comparou aos de James Joyce.

Opinião:

Finalmente, estreei-me a ler autores russos. Já não era sem tempo! Sabia que queria ler algo deste autor, e numa ida à biblioteca optei por trazer "O Duplo", um dos livros mais fininhos.

Gostei, foi uma leitura mais fluída e interessante do que estava à espera. 

No entanto não gostei muito dos diálogos, uma vez que contêm muitas repetições. Para além de repetirem a mesma ideia mais do que uma vez, também dizem os dois primeiros nomes da pessoa com quem estão a falar várias vezes na mesma fala. Não sei se isto era típico da cultura russa ou se é só neste livro, mas a verdade é que quebram o ritmo da leitura e a tornam um pouco mais confusa.

Foi um livro interessante, mas não acho que o tenha percebido na sua totalidade. Tenciono ler mais livros do autor.


segunda-feira, 7 de agosto de 2017

O Sino Entre Mundos - Opinião

O Sino Entre Mundos (Crónicas do Espelho, #1)


Título: O Sino Entre Mundos
Autor: Ian Johnstone
1ª Publicação: 2013

Sinopse:

Desde que a mãe morreu que Sylas Tate é um solitário.
Mas o toque dum sino gigante vai arrastá-lo para um mundo diferente, conhecido como O Outro, onde ele irá descobrir não só que possui um talento natural para a magia, como também que a sua mãe pode ter vindo desse estranho mundo paralelo.
Entretanto, as forças do mal não param e uma revelação assombrosa espera por Sylas: é que O Outro é um espelho do nosso mundo. À medida que a violência e as dificuldades vão aumentando, Sylas vai ter que encontrar uma rapariga que poderá ser a outra metade da sua alma - caso contrário, o universo inteiro pode desaparecer...
 

Opinião:

Ganhei este livro num passatempo há um ou dois anos, e apesar de não ter grandes expectativas sobre ele, decidi dar-lhe uma oportunidade.

Tem uma história interessante, mas foi escrito para um público mais jovem e, por isso, não me encheu as medidas. Demorei algumas semanas para o terminar, apesar de até gostar da história. Sei que se o tivesse lido há alguns anos teria gostado bem mais, porque acho que realmente é um bom livro dentro do género.


sábado, 5 de agosto de 2017

Leituras de Julho de 2107

Julho foi,  até agora, o mês mais fraquinho em termos de leituras em 2017. Li apenas 3 livros e não dei 5 estrelas a nenhum.

1. Nas Asas do Amor de Sarah Sundin 

Nas Asas do Amor (Wings of Glory #1)

Este livro prendeu-me desde o início, gostei muito da escrita e a história é interessante, mas a dada altura comecei a ficar cansada de tantos contratempos. Por isso, dei 4 estrelas.

2. Mulheres de Cinza de Mia Couto

Mulheres de Cinza

Gostei da escrita do autor e de conhecer um pouco mais de Moçambique, mas estava à espera de mais da história. Dei 3 estrelas.

3. Blue is The Warmest Color de Julie Maroh

Blue Is the Warmest Color

Ouvi falar tão bem sobre esta Graphic Novel, que era uma das mais bonitas histórias de amor mas, sinceramente, não achei. Desiludiu-me um pouco. Dei 3 estrelas.


Leituras em andamento


City of Ashes (The Mortal Instruments, #2) E as Montanhas Ecoaram O Mundo de A Guerra dos Tronos The Green Mile


segunda-feira, 10 de julho de 2017

Ilusão Perfeita - Opinião

Ilusão Perfeita

Título: Ilusão Perfeita
Autora: Jodi Picoult
1ª Publicação: 1995

Sinopse:

Por vezes quem nos devia apoiar é quem nos destrói.
Uma mulher acorda num cemitério ferida e a sangrar, completamente amnésica. Não sabe quem é nem o que faz ali. É socorrida por um polícia que acabara de chegar a Los Angeles. Alguns dias mais tarde, é apanhada de surpresa ao ser finalmente identificada pelo marido, nada mais, nada menos do que Alex Rivers, o famoso actor de Hollywood. Cassie fica deslumbrada pelo conto de fadas que está a viver. Mas nem tudo parece correcto e algo obscuro e perturbador se esconde por detrás daquela fachada de glamour. E é só quando a sua memória começa gradualmente a regressar que a sua vida de cenário perfeito se desmorona e Cassie enfrenta a necessidade de fazer escolhas que nunca sonhou ter de fazer.

Opinião:

Como já disse algumas vezes por aqui, Jodi Picoult é uma das minhas autoras preferidas. Foi a primeira autora que me fez querer comprar livros só por serem dela. Por isso, custa-me dizer que Ilusão Perfeita foi uma desilusão.

Não gostei muito da maneira como a autora abordou o tema principal, não consegui perceber como Cassie aguentou tanto tempo. Não me consegui ligar a ela nem a nenhuma das outras personagens. 

Tem ainda um triângulo amoroso, completamente desnecessário, ainda por cima para acabar como acabou. Demorei imenso tempo para o terminar, não me cativou.

Talvez se fosse um livro de outro autor, eu tivesse gostado mais, mas ficou muito aquém comparado com os seus outros livros. Não recomendo.



sexta-feira, 7 de julho de 2017

O Longo Inverno - Opinião

O Longo Inverno

Título: O Longo Inverno
Autora: Ruta Sepetys
1ª Publicação: 2011


Sinopse:

Em 1941, Lina, de quinze anos, prepara-se para ingressar na escola de artes e para tudo o que aquele verão lhe pode proporcionar. No entanto, uma noite, a polícia secreta soviética invade a sua casa, levando-a juntamente com a sua mãe e o irmão mais novo. São enviados para a Sibéria. O pai de Lina é separado da família e conduzido a um campo de concentração. Lina decide arriscar tudo e usa a sua arte como forma de enviar mensagens, na esperança de que estas cheguem ao campo prisional onde o seu pai se encontra e lhe transmitam que a sua família ainda está viva. É uma longa e comovente viagem. Apenas a força, o amor e a esperança fazem com que Lina e a família resistam a cada dia. Mas será isso suficiente para os manter vivos?

Opinião:

Vi tantas opiniões positivas sobre este livro que decidi ler, mesmo sem saber praticamente nada sobre a história, apenas que envolvia campos de concentração.

Não sei se não me lembro ou se não fazia mesmo parte do programa escolar, mas a verdade é que não tinha a percepção de que tinham existido campos de concentração soviéticos. Condenamos tanto os nazis por todas as atrocidades que cometeram, mas houve também uma nação vencedora que cometeu também graves crimes contra a humanidade, a União Soviética. Por esta história, percebemos que tentaram esconder esta realidade, mas como é possível? Como é possível saber-se tão pouco sobre isto? Foi algo que me revoltou um pouco quando terminei esta leitura e que me perseguiu durante alguns dias.

Quanto às personagens, não me senti tão ligada a elas como esperava. Não me tocou tanto como outros livros do mesmo género. Também gostava de ter visto o final um pouco mais desenvolvido. 

No geral, gostei muito, é uma história que merece ser contada, mas acima de tudo, é uma história que merece ser lida, para que um maior número de pessoas tenha conhecimento de uma parte da história que tentaram apagar.


quarta-feira, 5 de julho de 2017

Por Treze Razões - Opinião

Por Treze Razões

Título: Por Treze Razões
Autor: Jay Asher
1ª Publicação: 2007

Sinopse:

Naquele dia quando Clay regressou da escola, encontrou à porta de casa uma estranha encomenda com o seu nome escrito, mas sem remetente. Ao abri-la descobre que, dentro de uma caixa de sapatos, alguém colocara sete cassetes áudio, com os lados numerados de um a treze. Graças a um velho leitor de cassetes Clay prepara-se para ouvi-las quando é sobressaltado pela voz de Hannah Baker de dezasseis anos, que se suicidara recentemente e por quem ele estivera apaixonado. Na gravação, Hannah explica os seus treze motivos para pôr fim à vida, que a cada um deles correspondia uma pessoa e que todas elas iriam descobrir na gravação o seu contributo pessoal para aquele trágico desfecho.

Opinião:

Este era um livro que queria ler desde que descobri este mundo livrólico na internet. Mais uma vez, à semelhança de tantos outros, foi a existência da adaptação que finalmente me impulsionou a ler. 

Como já podem ter percebido, as expectativas eram altas. E não foram totalmente correspondidas. Pensei que fosse um livro que me prendesse, mas não o fez e demorei muito mais para o ler do que esperava.

Também pensei que a caracterização da Hannah fosse um pouco diferente, estava à espera de encontrar alguém mais deprimido. Mas isso leva-nos para o que eu achei mais importante e interessante neste livro: a sua mensagem. Nunca sabemos qual a importância/ efeito das nossas palavras e ações para com as outras pessoas. Algo que para nós pode ser insignificante, pode ter uma consequência muito negativa no outro.

Apesar de não ter adorado, gostei, e acho que merece ser lido pelo menos pelos adolescentes.


segunda-feira, 3 de julho de 2017

Filmes de Junho de 2017

Alien: Covenant (2016)

Alien: Covenant Poster

Apesar de ter gostado bem mais do que de "Prometheus", não é nada que se compare aos primeiros filmes.

Classificação: 6*

Iguais (2015)

Iguais Poster

Foi um filme que vi aos bocadinhos e gostei mas não adorei.

Classificação: 6*

A Bela e  o Monstro (2017)

A Bela e o Monstro Poster

Gostei bastante, achei muito parecido com o original.

Classificação: 7*

Resident Evil (2002) e Resident Evil: Apocalipse (2004)

Resident Evil Poster       Resident Evil: Apocalipse Poster

Confesso que tinha um pouco de preconceito em relação a estes filmes mas surpreenderam-me bastante pela positiva. Gostei bastante.

Classificação: 7*

Fragmentado (2016)

Fragmentado Poster

Nem sei o que dizer sobre este filme. Interessante mas macabro.

Classificação: 7*

Piratas das Caraíbas: Homens Mortos Não Contam Histórias (2017)

Piratas das Caraíbas: Homens Mortos Não Contam Histórias Poster

Gostei muito, mas não tanto como dos três primeiros, não achei tão engraçado.

Classificação: 7*