quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

O Ano da Dançarina - Opinião

O Ano da Dançarina

Título: O Ano da Dançarina
Autora: Carla M. Soares
Ano de publicação: 2017

Sinopse:

No ano de 1918, o jovem médico tenente Nicolau Lopes Moreira regressa da Frente francesa, ferido e traumatizado, para o seio de uma família burguesa de posses e para um país marcado pelo esforço de guerra, pela eleição de Sidónio Pais e pela pobreza e agitação social e política.
No regresso, Nicolau vê-se confrontado com uma antiga relação com Rosalinda, dançarina e amante de senhores endinheirados, e com as peculiaridades de uma família progressista.
Enquanto a Guerra se precipita para o fim e, em Lisboa, se vive a aflição da epidemia e da difícil situação política, a família experimenta o medo e perda, e Nicolau conhece um amor inesperado enquanto trava as suas próprias batalhas contra a doença e os próprios fantasmas. Este é um romance de grande fôlego, histórico, empolgante e profundo, sobre a superação pessoal e uma saga familiar num tempo de grande mudança e turbulência em Portugal.
 

Opinião:

Carla M. Soares está a tornar-se uma das minhas autoras portuguesas preferidas. O meu livro preferido dela é O Cavalheiro Inglês, que foi o primeiro que li. Depois já li Alma Rebelde e A Chama ao Vento e também gostei bastante dos dois.

Confesso que O Ano da Dançarina teve o início em que mais me custou entrar, não foi um livro que me envolvesse logo nas primeiras páginas. Não que fosse aborrecido, nada disso, simplesmente não me impulsionava a ler. No entanto isso mudou passado algumas páginas. Gostei bastante de ler sobre o que se vivia em Lisboa na época da epidemia.

A parte política não foi a que mais me interessou, mas reconheço a sua importância e relevância na história. Gostei das personagens no geral, embora todas elas fossem tendo algumas atitudes que me exasperavam um pouco, mas isso só reforça a sua credebilidade, ninguém é perfeito, e cada um age como pensa que é melhor.

Enfim, foi um livro que gostei bastante. Tem romance, mas nada exagerado. Também demonstra a força femenina.

 Claro está que já quero ler o próximo livro da autora.


terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Fangirl - Opinião

Fangirl

Título: Fangirl
Autora: Rainbow Rowell
Ano de publicação: 2013

Título:

Cath ama os seus livros e a sua família. Haverá espaço para mais alguém?
Todo o mundo é fã dos livros de Simon Snow. Mas Cath vai mais longe: ser fã desses livros tornou-se a sua vida. Ela e a sua irmã gémea, Wren, refugiaram-se na obra de Simon Snow quando eram miúdas, e na verdade foi isso que as salvou da ruína emocional que foi a perda da mãe.
Ler. Reler. Interagir em fóruns, escrever ficção baseada na obra de Simon Snow, vestir-se como as personagens dos livros. Mas essas fantasias deixam de fazer sentido quando se cresce, e enquanto Wren facilmente abandona esse refúgio, Cath não consegue fazê-lo. Na verdade, nem quer.
Agora que vão para a universidade, Wren não quer ficar no mesmo quarto de Cath. E esta fica sozinha e fora da sua zona de conforto. Partilha o quarto com uma miúda arrogante; tem um professor que despreza os seus gostos; um colega atraente mas que apenas fala sobre a beleza das palavras... e, ainda por cima, Cath não consegue parar de se preocupar com o seu pai, tão querido, frágil e solitário.
A pergunta paira no ar: será que ela consegue triunfar sem que Wren lhe dê a mão? Estará preparada para viver a vida em seu nome? Escrever as suas próprias histórias? E se isso significar deixar Simon Snow para trás?

Opinião:

Tinha alguma curiosidade para ler Carry On de Rainbow Rowell, que está relacionado com Fangirl, por isso decidi começar por este. Como as expectativas não eram muitas e o inglês não me parecia complicado, ouvi o audiobook.

Foi uma boa surpresa. Consegui-me identificar com algumas características da Cath, principalmente a timidez e o facto de gostar tanto de uma série de livros. Achei a Wren um pouco egoísta, mesmo sabendo que a irmã precisava dela e que não se sentia tão à vontade como ela, foi capaz de estar imenso tempo sem falar ou se preocupar com ela. Também gostei muito do Levi, é super fofinho, um rapaz às direitas.

As partes que menos me chamaram a atenção foram mesmo as relacionadas com o Simon Snow.  Não que fossem más, mas o que queria mesmo saber era o que estava a acontecer com a Cath. Assim, em princípio, não lerei Carry On.

Foi um livro fofinho, que recomendo a quem gosta do género.


quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Viagens na Minha Terra - Opinião

Viagens na Minha Terra

Título: Viagens na Minha Terra
Autor: Almeida Garret
Ano de publicação: 1846

Sinopse:

Em "Viagens na Minha Terra", publicado inicialmente em folhetim entre 1845 e 1846, Almeida Garrett descreve a viagem que fez entre Lisboa e Santarém, bem como as suas impressões sobre os locais por que passou. No meio destas deambulações, conta a história de Joaninha, a menina dos rouxinóis, de Carlos, que encarna o herói romântico, e de Frei Dinis, entrelaçando a tragédia que liga estas personagens com as suas crónicas de viagem.

 Opinião:

Frei Luís de Sousa foi o livro lido na escola que menos gostei. Mas tinha curiosidade para ler mais do autor e este foi o livro escolhido.

Demorei um pouco a entrar na história e a perceber o que se estava a passar, o que prejudicou um pouco a minha experiência de leitura. Mas a parte que entendi, não achei nada de especial. É um livro com bastantes referências literárias, nomeadamente a Dom Quixote de La Mancha de Cervantes, outra obra que não gostei assim tanto.

No entanto, é um livro que se lê bastante bem, uma vez que os capítulos são bem curtos.


sábado, 2 de dezembro de 2017

Leituras de Novembro de 2017

Novembro foi o pior mês em termos de leituras de 2017. Apenas consegui ler 3 livros completos e não foram leituras que me enchessem as medidas.

1. Casino Royale de Ian Fleming

Casino Royale

Não consegui gostar de nada deste livro. Foi uma das raras vezes em que atribuí 1 estrela.

2. Cem Anos de Solidão de Gabriel García Marquez

Cem Anos de Solidão

Achei o livro interessante, principalmente no início, mas no decorrer da história fiquei por vezes baralhada com as personagens e o espaço temporal, o que não me permitiu disfrutar inteiramente do livro. Dei 3 estrelas.

3. Viagens na Minha Terra de Almeida Garrett

Viagens na Minha Terra

Tem algumas partes interessantes, mas senti que parte da história me passou ao lado. Dei 2 estrelas.

domingo, 26 de novembro de 2017

Cem Anos de Solidão - Opinião

Cem Anos de Solidão

Título: Cem Anos de Solidão
Autor: Gabriel García Márquez
Ano de publicação: 1967

Sinopse:

Esta é a história da família Buendia, de Aurelianos e Josés Arcadios, geração após geração, de milagres e fantasias,de paixões e adultérios, descobertas e tragédias, de mortes e mortos, de histórias e histórias... e de muitas vidas, tantas quantas as línguas em que este romance já foi traduzido. O realismo mágico na pena de um dos maiores escritores do nosso tempo!

Opinião:

Quem nunca ouviu falar de Cem Anos de Solidão ? Era um livro que já queria ler há algum tempo e aproveitei o país do trimestre de A Volta ao Mundo em Livros ser a Colômbia para finalmente o fazer. Também o encaixei na categoria Árvore de Natal (livro sobre famílias) do Christmas in the Books.

É um livro interessante, mas à medida que foi avançando, fui achando um pouco confuso. Os nomes das persogens são muito parecidos, mesmo tendo a árvore genealógica no início do livro, fiquei baralhada algumas vezes. Para isto também contribuiu o facto de que por vezes o autor dá informações do que se vai passar mais à frente, levando-me a pensar que aquele assunto tinha ficado por ali, mas não, ainda vai acontecer depois e ser mais desenvolvido.

Este não foi um livro que me impulsionasse a sua leitura, principalmente por os capítulos serem  relativamente grandes e com muito poucos diálogos. O facto de por vezes haver saltos temporais grandes também contribuiu para que fosse perdendo um pouco o interesse.

Apesar de até ter gostado, confesso que estava à espera de um pouco mais deste livro.



domingo, 19 de novembro de 2017

Casino Royale - Opinião

Casino Royale

Título: Casino Royale
Autor: Ian Fleming
Ano de publicação: 1953

Sinopse:

Um agente secreto ao serviço de Sua Majestade, sedutor e sofisticado, perigoso e atrativo, encarrega-se de uma das missões mais complicadas da sua carreira: neutralizar uma rede russa de espionagem e sabotagem. Para conseguir este difícil objectivo, terá de se introduzir numa partida de bacará no mítico Casino Royale e vencer o temível Le Chiffre. O agente responde pelo nome de código 007 e tem licença para matar. Chama-se Bond... James Bond. Com Casino Royale, Ian Fleming deu vida a James Bond, o agente secreto por excelência.

Opinião:

Nunca fui muito fã dos filmes de James Bond, mas adquiri este livro num pack e decidi lê-lo para o Christmas in The Books, na categoria Estação Metereológica - ler um livro fora da tua zona de conforto.

Tinha alguma esperança de que o livro me fosse surpreender, que até gostasse.  Mas não, não gostei de nada. Um livro tão pequeno e que me custou tanto a ler. Os primeiros capítulos estão demasiado focados no casino e nas regras do jogo. Quando Bond se mete numa trapalhada só consegue sair devido a terceiros, não teve papel nenhum na sua escapatória. Também não achei que o final tivesse grande sentido.

Defenitivamente não foi livro para mim, não consegui gostar de nada.

sábado, 11 de novembro de 2017

O Fantasma da Ópera - Opinião

O Fantasma da Ópera

Título: O Fantasma da Ópera
Autor: Gaston Leroux
Ano de publicação: 1909

Sinopse:

'O Fantasma da Ópera' é o caso típico da criatura que dominou o criador - no caso, o escritor francês Gaston Leroux. Este clássico mantém-se vivo no imaginário mundial ao longo de quase um século. Mas durante este período o texto de Leroux sofreu algumas modificações. Nesta edição prefaciada por João Máximo, nota-se o resgate do enredo original. Com um poder quase mágico de cativar o leitor em situações de terror e suspense, misturando amor, ciúme e traição, Gaston Leroux criou essa história que retrata uma jovem cantora lírica que credita seu sucesso ao 'Anjo da Música', uma voz que a visita todos os dias em seu camarim para dar aulas de canto. 

Opinião:

Já tinha visto o filme há alguns anos mas não me lembrava de praticamente nada da história. 

Achei a escrita bem mais fluída do que esperava. A história é interessante, e sem dúvida original. Comecei por gostar bastante, mas não sei bem porquê, depois comecei a achar menos interessante. Achei algumas atitudes de Christine pouco compreensíveis. Mas, de qualquer maneira, não é um livro que se torna aborrecido, o que é sempre positivo.

Foi uma leitura agradável, e que ainda se tornou melhor porque foi acompanhada com a banda sonora do filme, que é lindíssima. Agora tenho de o rever.